Altos Papos

Erika Hilton discute com Julia Zanatta e Nikolas diz: “pelo menos ela é ela”

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi alvo de uma fala considerada transfóbica após uma discussão com a também deputada Júlia Zanatta (PL-SC) na Comissão da Mulher da Câmara dos Deputados. O caso ocorreu na quarta-feira, 5.

A briga começou durante uma audiência com a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves. Durante a sessão, as deputadas começaram a discutir fora do microfone. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o momento em que Hilton chama Zanatta de “ultrapassada” e fala para a deputada “hidratar o cabelo”.

Em seguida, o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) fez ofensas consideradas transfóbicas contra Erika Hilton: “Pelo menos ela é ela”, afirmou o parlamentar. Hilton é uma mulher trans.

Na quarta, 5, Nikolas divulgou os vídeos das ofensas contra Erika nas próprias redes sociais. Julia Zanatta republicou as imagens e afirmou: “Obrigada, deputado Nikolas. Você sempre defende as mulheres”.

Em outra publicação, Zanatta afirmou que o “transativismo violenta mulheres”. “Eu penso que essa pessoa não se olha no espelho. O que mais me impressiona são as mulheres ali ao lado de risadinha”, escreveu.

Erika Hilton ainda não se pronunciou sobre o caso. A equipe da deputada afirmou à CNN que ela deve divulgar um posicionamento em breve.

Procurada, a equipe de Zanatta ainda não se pronunciou. Ferreira disse que não irá se manifestar.

Outros casos

Em setembro de 2023, Nikolas Ferreira se tornou réu na Justiça de Minas Gerais por transfobia. A acusação cita um vídeo em que o deputado, segundo o Ministério Público (MP) mineiro, foi transfóbico e racista contra uma estudante.

No vídeo, publicado em seu perfil no YouTube, Nikolas critica os ativistas LGBQTIA+ e o uso de banheiros por diferentes identidades de gênero. “Eu, por exemplo, posso chegar e falar que eu sou mulher e entrar num banheiro de mulher”, diz o deputado na gravação, ironizando o uso de banheiros por pessoas trans.

O deputado já foi, inclusive, condenado por transfobia. Ao se negar a usar o pronome feminino da deputada Duda Salabert (PDT-MG) em 2020, a Justiça de Minas Gerais determinou em abril de 2023 que ele pagasse a indenização de R$ 80 mil por danos morais para a parlamentar.

Por CNN Brasil

Foto: reprodução